Posts marcados na categoria Livros

03 nov, 2017

Livro: A Guerra Não Tem Rosto de Mulher

Resumo:

A história das guerras costuma ser contada sob o ponto de vista masculino: soldados e generais, algozes e libertadores. Trata-se, porém, de um equívoco e de uma injustiça. Se em muitos conflitos as mulheres ficaram na retaguarda, em outros estiveram na linha de frente. É esse capítulo de bravura feminina que Svetlana Aleksiévitch reconstrói neste livro absolutamente apaixonante e forte. Quase um milhão de mulheres lutaram no Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial, mas a sua história nunca foi contada. Svetlana Alexiévitch deixa que as vozes dessas mulheres ressoem de forma angustiante e arrebatadora, em memórias que evocam frio, fome, violência sexual e a sombra onipresente da morte.

Este livro é a face FEMININA da guerra. Um lado da guerra desconhecido porque até então nunca havia sido contado. O livro é uma coletânea de depoimentos dolorosos das mulheres do Exército Vermelho que combateram durante a Segunda Guerra Mundial. A forma como autora expõe esses depoimentos é extremamente comovente. São histórias que contam o sofrimento, as angústias, as dores, os traumas e, principalmente, os abusos tanto físicos quanto psicológicos sofridos por essas mulheres que, todos esses anos ficaram caladas até mesmo dentro de suas casas. A guerra para essas mulheres que estiveram combatendo no front carregando um fuzil maior que seu tamanho, pilotando tanques, aviões ou cuidando dos milhões feridos, não terminou no Dia da Vitória. Enquanto os homens tiveram todos os seus méritos e reconhecidos por sua bravura, as mulheres foram xingadas de mulheres-machos e tratadas como prostitutas por uma sociedade em que nessa época, tinha um feminino extremamente conservador. Uma mulher ir a guerra era algo totalmente fora de questão, elas carregaram esse peso pelo resto de suas vidas e a guerra deixou tantas marcas que, muitas delas sequer foram apagadas. Não é toa que a autora Svetlana Aleksiévitch ganhou em 2015 o Nobel da Literatura por esta obra, pois o livro é impressionante do inicio ao fim, eu desconheço algum outro livro que tenha contado sobre esse lado feminino. Pra quem gosta de ler sobre esse período da história, eu diria que esta leitura é mais que obrigatória.

“Como a pátria nos recebeu? Não consigo contar sem soluços… Quarenta anos se passaram, e até hoje meu rosto queima. Os homens se calavam, mas as mulheres… Elas gritavam para nós: ‘Sabemos o que vocês faziam lá! Com as b… Jovens seduziam nossos homens. P… do front. Cadelas militares…’. Nos ofendiam de várias maneiras… O vocabulário russo é rico…”

Vai ganhar 4/4 xícaras:

cafe2-horz

03 out, 2017

Livro: Lugar Nenhum

“Em Lugar Nenhum Neil Gaiman conta a história de Richard Mayhew, um jovem escocês que vive uma vida normal em Londres. Tem um bom emprego e vai se casar com a mulher ideal. Uma noite, porém, ele encontra na rua uma misteriosa garota ferida e decide socorrê-la. Depois disso, parecer ter se tornado invisível para todas as outras pessoas. As poucas que notam sua presença não conseguem lembrar exatamente quem ele é. Sem emprego, noiva ou apartamento, é como se Richard não existisse mais. Pelo menos não nessa Londres. Sim, porque existe uma outra – a Londres-de-Baixo. Constituída de uma espécie de labirinto subterrâneo, entre canais de esgoto e estações de metrô abandonadas, essa outra Londres é povoada por monstros, monges, párias, nobres, decaídos e assassinos – e é para lá que Richard vai.”

Esse livro tinha tudo pra eu amar: uma história de Neil Gaiman e Londres. Mas, infelizmente, não foi exatamente isso que aconteceu. “Lugar Nenhum” não é uma história ruim, mas pra mim faltou e sobrou muito ao mesmo tempo e vou explicar o porquê: o começo é muito legal, você sente que “uau, essa história será boa”, mas quando a história começa a desenrolar, ela se perde ao longo dos capítulos e do meio em diante, fica maçante.

Ao menos para mim não fluiu como eu esperava. Gaiman descreve Londres com uma riqueza de detalhes surpreendente e eu achei isso tão fantástico que preciso ressaltar, mas acho que pecou falando demais sobre muitos personagens que não tiveram praticamente relevância alguma na história (As 7 Irmãs, o Conde, Lamia), sendo que ele poderia ter contato muito mais sobre os principais – algo que não fez e aí acabou faltando algumas repostas pras minhas perguntas: Quem decide aonde será o próximo mercado? Como surgiu a Londres de baixo? E o pai de Door? Não sabemos nada da vida dele. Como Richard conseguiu enxergar Door? Isso fez com que a história ficasse com alguns fios soltos, o final ficou um pouquinho melhor, mas achei que a história poderia ter sido melhor explorada. Não é um livro de todo o ruim, veja bem… Mas eu que amei tanto “Deuses Americanos” ou “Oceano no Fim do Caminho” – histórias essas que superam minhas expectivas que acabei achando que “Lugar Nenhum” fosse no mínimo ser tão bom quanto, com certeza não é um dos melhores de Neil Gaiman, mas não é de todo o ruim. Vai ganhar só 2 das 4 xícaras:

14 ago, 2017

Livro: Dois Irmãos, Uma Guerra

“Dois Irmãos, Uma Guerra é a história comovente de dois garotos nascidos em Berlim, em 1920 – um judeu e seu irmão adotivo ariano -, criados como gêmeos por pais judeu-alemães, à sombra do Nazismo. Mas, com a mudança do cenário político, eles acabam em lados opostos durante a Segunda Guerra Mundial – um fazendo parte da Waffen-SS e o outro, do exército britânico – e têm que se confrontar com uma escolha inimaginável, que mudará completamente o destino de ambos. Qual deles sobreviverá? Como irão enfrentar a terrível verdade oculta em seu passado?”

Tão bom que li em menos de 2 semanas. Esse livro entrou pra lista dos melhores que li em 2017. Pra quem gosta de ler sobre a Segunda Guerra Mundial com certeza não vai se decepcionar com esse que na verdade, retrata o final da Primeira Guerra, o começo e todo o desfecho da Segunda. Esse tema pra mim é sempre muito emocionante, não me canso de ler e me horrorizar com as atrocidades e a luta das pessoas pela sobrevivência em tempos tão sombrios. A história envolve a vida de dois irmãos: Paulus e Otto, um deles é adotivo, mas nasceram no mesmo dia e suas duas amigas – Dagmar (judia filha de um milionário) e Silke (alemã filha de empregada) que juntos os quatro formaram o ‘Clube dos Sábados’, mas que tem suas vidas (assim como de seus próximos) drasticamente mudadas com o início da Segunda Guerra.

O livro também conta muito sobre a vida de Wolfgang e Frieda – o casal de alemães judeus que são os pais de Paulus e Otto e é impossível não se emocionar diversas vezes com este livro. ‘Dois Irmãos, Uma Guerra’ me envolveu desde a primeira até a ultima página, sua premissa é muito interessante e é cheio de reviravoltas nas histórias que te faz sentir cada riso, cada lágrima, cada angustia e revolta. É livro maravilhoso, triste, mas belo em sua maneira e arrebatador. Eu tenho certeza que se este livro fosse ambientado pro cinema, daria um incrível filme. Eu gostaria de escrever muito mais, mas sempre tento ao máximo deixar apenas minhas impressões e não os spoilers. É baseado em fatos reais e no posfácio do livro o autor conta e explica em quem se inspirou. Leitura mais que recomendada, entrou pra minha lista de favoritos:

cafe2-horz

“- É realmente um mundo encantador – disse Silke.
– Sim, é – Otto concordou. – Só lamento as pessoas que o habitam”.

26 jul, 2017

Livro: Deuses Americanos

Já tem uns dois anos que estou pra ler ‘Deuses Americanos’ e não sei por qual motivo eu sempre acabava escolhendo outro livro. Rick é muito fã desta história e quando saiu o seriado ele ficou muito empolgado e como Neil Gaiman nunca me decepciona, resolvi dar uma pausa com meus livros de guerra e comecei a ler este.

Sinopse:

“A saga de Deuses americanos é contada ao longo da jornada de Shadow Moon, um ex-presidiário de trinta e poucos anos que acabou de ser libertado e cujo único objetivo é voltar para casa e para a esposa, Laura. Os planos de Shadow se transformam em poeira quando ele descobre que Laura morreu em um acidente de carro. Sem lar, sem emprego e sem rumo, ele conhece Wednesday, um homem de olhar enigmático que está sempre com um sorriso no rosto, embora pareça nunca achar graça de nada. Depois de apostas, brigas e um pouco de hidromel, Shadow aceita trabalhar para Wednesday e embarca em uma viagem tumultuada e reveladora por cidades inusitadas dos Estados Unidos, um país tão estranho para Shadow quanto para Gaiman. É nesses encontros e desencontros que o protagonista se depara com os deuses — os antigos (que chegaram ao Novo Mundo junto dos imigrantes) e os modernos (o dinheiro, a televisão, a tecnologia, as drogas) —, que estão se preparando para uma guerra que ninguém viu, mas que já começou. O motivo? O poder de não ser esquecido.”

Primeiro de tudo eu vou dar uma dica: Não leia ‘Deuses Americanos’ tentando adivinhar quem são todos (e muitos, porque o livro tem muitos) os Deuses da história. Outra coisa: Apenas leia aceitando que os Deuses andam e vivem normalmente entre as pessoas nos dias de hoje, ou seja, não espere nada óbvio, afinal de contas estamos falando de uma história de Neil Gaiman, então, mente aberta é primordial para este livro. Acima de tudo ‘Deuses Americanos’ é um livro… Como posso dizer? Estranho. Estranho com suas milhões de referências, fantasias e aventuras que Neil Gaiman usou para escrever sobre os Deuses, mas principalmente sobre todos nós e isso faz com que tenhamos várias reflexões durante a história, mas sempre com aquela pitada de humor ácido tão Neil Gaiman de ser. De todos os personagens, o que eu mais gostei é primeiramente o Shadow (eu adoreeei ele) e Wednesday.

poster do seriado

Pra mim é um livro que acertou em cheio com o seu propósito, a leitura fluiu muito bem e mesmo com algumas partes um tanto quanto confusas, em nenhum momento ficou chato para mim, a história também virou seriado e eu terminei ontem de assistir, há algumas passagens que não tem no livro, mas acredito que isso seja por conta da adaptação pra TV e eu gostei muito também. Leitura mais que recomendada. Merece as 4 xícaras:

cafe2-horz

O trailer da série:

“Essa terra não é boa para os Deuses”

29 maio, 2017

Livro: Mitologia Nórdica

“No início, não havia nada”

É uma pena que a maioria das pessoas tenha um conhecimento bem pequeno sobre a mitologia nórdica, que é na minha opinião uma das mais ricas e complexas religiões que já existiram, pois ela vai muito além de Thor, Odin ou Loki. Muito embora, é graças a difusão da cultura pop promovida principalmente no cinema e nos quadrinhos pela Marvel que despertou o interesse das pessoas em saber mais sobre os antigos povos da Escandinávia, suas crenças, seus costumes e com isso, felizmente, o interesse vem crescendo cada vez mais. Prova disso é o grande sucesso do seriado Vikings produzido pelo History Channel e que sem dúvida um dos meus preferidos também.

Em meio a isso, Neil Gaiman, resolveu para a nossa felicidade literária recontar a Mitologia Nórdica ao qual ele mesmo diz que é completamente fascinado por essas histórias. Gaiman – o mestre supremo com o dom de te arrancar do mundo real e te levar para dentro da história, faz o mesmo com esse livro. É uma história especialmente escrita para quem não é nada familiarizado com a Mitologia, da mesma forma que é feito TAMBÉM pra quem já a conhece muito bem. O livro foi reunido em 15 contos que narram desde o início: os 9 mundos, a relação entre os deuses, os anões, os gigantes, até o Ragnarök – o fim de tudo. Tudo é contado de uma maneira leve, despretensiosa e com aquela peculiaridade do humor naturalmente ácido de Gaiman que todos os seus leitores amam. Dei muitas risadas com a forma que ele conta sobre os personagens – o que particularmente, foi uma das minhas partes preferidas, ri muito com Thor: incrivelmente forte, que se orgulhava de ser um beberrão e tão bruto que estava sempre disposto a matar alguém pra aliviar a tensão, mas o mesmo tempo era tapado como uma porta (ahahahaha), de Odin – O Pai de Todos e sua fixação louca por sabedoria e poder ou com o Loki, que é um grandíssimo trapaceiro safado, mas de uma inteligência enorme. Talvez as histórias envolvendo ele foram as minhas favoritas.

Mitologia Nórdica é um livro incrível em todos os sentidos, desde a sua edição belíssima até o seu conteúdo. Como em todas as histórias de Gaiman eu digo também pra essa: abram bem a mente e leiam, apenas leiam! Vocês não vão se arrepender! Ganhou as 4 xícaras de café:

cafe2-horz