Arquivo

Vídeos

Posts em Vídeos.

Blushs

MÚSICA DO DIA: LIFE IS A FLOWER – ACE OF BASE

Clique no para ouvir.

Blushs

Lembram do meu post que eu escrevi sobre o site da Ana Paula Beauty e que tinha encomendado a paleta de sombras da Kate Von D mais o blush Orgasm da Nars? Pois é, tem mais de uma semana que eles chegaram, fiquei super feliz e satisfeita com os produtos, a entrega foi super rápida e estou aqui dizendo tudo isso freneticamente, porque a Ana novamente vai pros EUA e está aceitando encomendas até o dia 23! =D

Eu encomendei dois Blushs com ela: O M.A.C Mineralize Cheek & Cheerful que tem um brilho bem acetinado e um tom lindo puxado pro laranja e dourado… Há tempos estou atrás desse da M.A.C… O preço dele por aqui 97 reais, com a Ana sai por 60.


O outro é o Blush Luster da Nars, e se este estiver em falta eu escolho o LoveJoy. Não havia dito aqui, mas eu AMEI o Orgasm! Tinha lido bastante coisa não só por ser uma cor que todo mundo adora, mas principalmente sobre a excelente durabilidade desses blushs da Nars e realmente ele fica o dia inteiroooo nas bochechas, coisa que com os blushs da Natura, por exemplo, eu não tenho essa mesma sorte. Eu usei o Orgasm na Fer, no dia no casamento dela e como prometi uma fotinha, aqui está:


Minha amiga arrasando de noiva, o cravo no cabelo foi colocado depois do terceiro champanhe, super phyna, mmmehehehehe!

Fiz a maquiagem nela as 9 da manhã. Essa foto é na casa dela, às 10 horas… DA NOITE!!! Na foto não dá pra ver tão nitidamente como eu queria, mas tinha uns brilhinhos bem discretos misturados com o rosa, minha amiga ficou um lousshooo!

Portanto meninas, mais uma vez eu vou recomendar o site da Ana pra vocês, sem contar que ela tem uns produtos à pronta entrega que super vale a pena dar uma conferida. Ah, antes que eu me esqueça, eu encontrei um link com milhões de swatches dos blushs da Nars, é bem legal, da pra ter uma noção melhor das cores.

Polyvore

MÚSICA DO DIA: GIRLS JUST WANNA TO HAVE FUN – CYNDI LAUPER

Clique no para ouvir.

Polyvore

Polyvore é um site super-legal-pra-caramba de moda. Na verdade é uma rede social aonde você pode criar o look que quiser. Sem contar que, todas as peças, acessórios e mimos você pode comprar diretamente pelo site oficial da marca.

Photobucket

Pra quem tem Facebook dá pra compartilhar na sua pagina também, um monte de gente já o conhece, mas confesso que descobri só agora e… Tipo assim… Viciei nele. Você pode montar looks com roupas, coisas que você mais gosta, se inspirar nos estilos das celebridades, enfim… Dá pra navegar horas e horas nele e sempre encontrar algo diferente!

Esse foi um look que criei baseado no meu estilo e de (quase) tudo aquilo que gosto:

Photobucket

Pra quem quiser conhecer, este é o site:

www.polyvore.com

Have fun girls!!!!

Para se ler durante o dia…

MÚSICA DO DIA: CALOR DA HORA – PAPAS DA LÍNGUA

Clique no para ouvir.

Para se ler durante o dia…

Terminei dias atrás de ler “A Sombra do Vento”. Amei! É uma história eletrizante escrita em uma prosa, ora irônica, ora poética, ambientado em Barcelona na primeira metade do século XX, o romance de Zafón é uma obra envolvente e impossível de largar. Além de contar muito bem, esse lado mágico que é ler um livro, “A Sombra do Vento” é uma história inesquecível. Eu recomendo!

E hoje mesmo comecei a ler “A Estrada da Noite” de Joe Hill (filho por sinal, do grande gênio Stephen King, sendo assim, vocês já podem imaginar o conteúdo da história):

“Uma lenda do rock pesado, o cinqüentão Judas Coyne coleciona objetos macabros: um livro de receitas para canibais, uma confissão de uma bruxa de 300 anos atrás, um laço usado num enforcamento, uma fita com cenas reais de assassinato. Por isso, quando fica sabendo de um estranho leilão na internet, ele não pensa duas vezes antes de fazer uma oferta. “Vou vender o fantasma do meu padrasto pelo lance mais alto…” Por 1.000 dólares, o roqueiro se torna o feliz proprietário do paletó de um morto, supostamente assombrado pelo espírito do antigo dono. Sempre às voltas com seus próprios fantasmas – o pai violento, as mulheres que usou e descartou, os colegas de banda que traiu -, Jude não tem medo de encarar mais um. Mas tudo muda quando o paletó finalmente é entregue na sua casa, numa caixa preta em forma de coração. Desta vez, não se trata de uma curiosidade inofensiva nem de um fantasma imaginário. Sua presença é real e ameaçadora. O espírito parece estar em todos os lugares, à espreita, balançando na mão cadavérica uma lâmina reluzente – verdadeira sentença de morte. O roqueiro logo descobre que o fantasma não entrou na sua vida por acaso e só sairá dela depois de se vingar. O morto é Craddock McDermott, o padrasto de uma fã que cometeu suicídio depois de ser abandonada por Jude. Numa corrida desesperada para salvar sua vida, Jude faz as malas e cai na estrada com sua jovem namorada gótica. Durante a perseguição implacável do fantasma, o astro do rock é obrigado a enfrentar seu passado em busca de uma saída para o futuro. As verdadeiras motivações de vivos e mortos vão se revelando pouco a pouco em A estrada da noite – e nada é exatamente o que parece. Ancorando o sobrenatural na realidade psicológica de personagens complexos e verossímeis, Joe Hill consegue um feito raro: em seu romance de estréia, já é considerado um novo mestre do suspense e do terror.”

Fonte: Submarino

Pelas primeiras páginas que li, senti de imediato que pelo menos para mim, não é um livro para se ler durante à noite. Embora eu seja apaixonada por histórias de terror e no quesito medo considere, por exemplo, Stephen King (justamente pela sua genialidade em conseguir com palavras te apavorar), um dos melhores escritores de todos os tempos, eu evito ler um livro como esse depois das 22 horas ehehehe!

E por quê?

Porque seja lá qual for o livro, quando estou lendo, eu me esqueço literalmente do mundo à minha volta, mergulho de cabeça na história, choro, dou risada, sinto medo… Tanto que, dependendo da história eu acabo sonhando com o que li depois (justamente talvez pelo hábito de ler antes de dormir) é sério! – principalmente se esses livros forem as horripilantes histórias de terror. Lembro-me quando eu estava lendo “A Hora do Vampiro” (por sinal de S.K. também): terror de primeira qualidade, cheio de becos escuros e vampiros sanguessugas… Era tarde da noite e eu estava TÃO absorvida na história que quando o Rick abriu a porta, entrou no quarto e chamou o meu nome, eu levei um susto tão grande que quase grudei no teto. Dois dias depois, não sendo o bastante, eu sonhei com a história também (o tal vampiro corria atrás de mim) e decidi que depois dessas experiências (nada boas) seria melhor ler um pouco durante o dia, continuar com as minhas atividades de rotina e à noite procurar um desenho animado na televisão. E eu sei, confessar uma coisa dessas, pode parecer um tanto quanto infantil da minha parte, mas talvez seja esse o motivo: o de te “prender” na história a ponto de te levar pra lugares tão diferentes daqueles que você já está, que faz com que um livro ou um filme seja tão inesquecível na sua essência.
Ok, e depois eu digo o que achei sobre esse, ihihihihi.

Twitter: "What Are You Doing?"

MÚSICA DO DIA: BE YOURSELF – AUDIOSLAVE

Clique no para ouvir.

Twitter: “What Are You Doing?”

No começo eu não achava graça…
Até que criei um login e… Continuava não achando graça mesmo assim!
Mas depois, fui começando a gostar dele e hoje posso dizer sem sombra de dúvidas que, depois do Blog, é um dos meus vícios da internet que eu mais gosto!

Muita gente já ouviu falar sobre o Twitter, mas nem todos sabem para que serve ou como funciona, vários Blogs já explicaram sobre essa nova febre cibernética: como se cadastrar (bem simples por sinal!) e a sua finalidade. Como não custa nada divulgar boas informações, resolvi contribuir também e navegando por aí encontrei um guia bem prático que serve principalmente para quem está boiando com tudo isso, quem se interessar vale a pena dar um lida:

Twitter
Ferramenta de microblog para criar posts de até 140 caracteres. Você escreve o que está fazendo, indica um link do que viu na web, desabafa, conta piada… tudo o que o curto espaço permitir. O endereço é twitter.com.

Tweet
É um post do Twitter.

Twitteiro
Aquele que posta no Twitter.

Seguidores (Followers)
São aqueles que leem os seus tweets. Você pode optar por deixar seus posts em aberto, ou seja, qualquer um pode ler e seguir você, ou exigir que você autorize a pessoa a ser seu seguidor.

Reply
São respostas a outros tweets. Por exemplo, alguém faz uma pergunta e você quer responder a ela. Colocando um @ na frente do login da pessoa, ela vai saber que a resposta é para ela. Se quiser enviar replies para o UOL Tecnologia, mande uma mensagem com@uol_tecnologia na frente. Se alguém fizer isso com o seu login, é um reply para você.

Mensagem direta (Direct message)
São mensagens privativas, que somente o destinatário vai ler — ou seja, não aparece na sua página. Funciona colocando uma letra “D” antes do login da pessoa. Para mandar uma mensagem direta para o UOL Tecnologia, por exemplo, digite D uol_tecnologia antes da sua mensagem.

Hashtag
Para facilitar a busca de mensagens ou buscar interesses específicos no Twitter, foram criadas as hashtags. Toda palavra com um sustenido (#) na frente, sinaliza uma hashtag. Por exemplo, para falar de tecnologia, coloque a hashtag #tecnologia. Assim, quem entrar no site Hashtags e procurar por tecnologia, pode encontrar seu tweet.

Fonte: UOL Tecnologia

Mais?

Lista de famosos do Twitter: os verdadeiros e os falsos
Efeito Twitter: literatura em 140 caracteres
Efeito Twitter: piada também pode ser feita com poucas palavras

And… Follow me on Twitter

11/09/2001

MÚSICA DO DIA: A SUA MANEIRA – CAPITAL INICIAL

11/09/2001

Hoje eu ia escrever sobre o Stonehenge à vc’s – queridos e fiéis leitores, mas o 11 de setembro é uma data que não me deixa esquecer aquele acontecimento de 7 anos atrás… Muita gente – talvez a grande maioria pessoas que vivem nesse pequeno mundo de surpresas, acha que esse atentado foi uma boa e merecida resposta aos EUA… Mesmo que essa resposta tenha sido com a morte de tantas vidas inocentes, e resposta ou não, consequências boas ou ruins, de todas as coisas trágicas que eu já vi em 29 anos da minha vida, essa sem duvida foi a que mais me marcou…

Me marcou talvez por acompanhar tudo em tempo real, ou talvez pq quando eu vi o segundo avião chocando-se com a outra torre, por uns 10 segundos eu cheguei a achar que era alguma cena pra mais um filme hollywoodiano, ou talvez pq vendo esse tipo de coisa a gente crê cada vez mais que o mundo está perdido mesmo…
E tratando-se de mundo é evidente que já aconteceram absurdos muito piores do que esse e isso eu concordo plenamente, mas se vc perguntar a cada pessoa sobre o 11 de setembro de 2001, todos e até aqueles que são mais esquecidos, irão se lembrar muito bem de como foi esse dia.

Pra mim foi um dia longo e cansativo aquele 11/09…
As palavras que eu mais ouvi foram: “guerra”, “atentado”, “fim do mundo”, “terroristas” e que depois perpetuaram por mais um longo tempo (ou até hoje).
Eu não lembro do meu 11 de setembro do ano passado, mas lembro-me perfeitamente do meu 11 de setembro de 2001…

Quando eu estava na faculdade uma professora nos mostrou 11 curtas, de 11 minutos, produzidos por 11 pessoas, de 11 paises e com 11 visões diferentes sobre o 11 de setembro, o que eu mais gostei foi de um produzido por ninguém menos que Sean Penn – um dos meus atores preferidos, vale a pena dar uma olhada e ver um 11 de setembro um tanto quanto… Diferente:

Ok, o próximo post será o Stonehenge!

computer + filme + livro

MÚSICA DO DIA: 29 PALMS – ROBERT PLANT

computer + filme + livro

Vou lhes dizer uma coisa:

Eu realmente perco a paciência quando meu computador resolve não mais colaborar com a minha pessoa. Ontem foi a vez do antivírus dar xabú em tudo por aqui, e são nessas horas de (in)paciência que eu agradeço a experiência que adquiri quando eu trabalhei na saudosa AOL.
Pelo menos no quesito conhecimento eu não sou nenhuma sabe-tudo, mas me viro o suficiente a ponto de resolver algumas coisas sozinha e sem precisar levar na assistência técnica.

Enfim, assistimos esse filme aqui no final de semana:

1408

Sinopse
Um promissor romancista, Mike Enslin (John Cusack), resolveu enveredar por outro caminho e escrever livros que investiguem fenômenos paranormais. Enslin nunca presenciou realmente algum destes fatos, então fica difícil obter credibilidade. Além do mais Mike é totalmente cético, pois até hoje não encontrou evidências de que exista vida após a morte. No entanto decide ir até Nova York e se hospedar no Dolphin Hotel, mais exatamente no quarto 1408, que tem fama de ser habitado por espíritos malignos. O gerente do hotel, Gerald Olin (Samuel L. Jackson), o avisa que 56 mortes já ocorreram neste quarto, mas Mike está decidido a conferir se sua fama está condizente com a verdade.

Embora os últimos 20 minutos sejam um pouco parados, gostei bastante.

Ah… E mediante ao meu vício misturado com a minha aguçada curiosidade eu informo que já estou no 5º episódio de Lost e puxa vida…

O que dizer?
Tá foda!
Não, melhor…
MUITO foda!

Contudo, como não é só de tevê que eu vivo, terminei de ler esse livro aqui:

Eu Sou o Mensageiro

Ed Kennedy. Dezenove anos. Um perdedor.
Seu emprego: taxista. Sua filiação: um pai morto pela birita e uma mãe amarga, ranzinza. Sua companhia constante: um cachorro fedorento e um punhado de amigos fracassados.
Sua missão: algo de muito importante, com o potencial de mudar algumas vidas. Por quê? Determinado por quem? Isso nem ele sabe.
Markus Zusak, autor do best-seller A Menina que Roubava Livros, nos fornece essas respostas bem aos poucos neste incomum romance de suspense, escrito antes do seu maior sucesso.
O que se sabe é que Ed, um dia, teve a coragem de impedir um assalto a banco. E que, um pouco depois disso, começou a receber cartas anônimas. O conteúdo: invariavelmente, uma carta de baralho, um ou mais endereços e… só. Fazer o que nesses lugares? Procurar quem? Isso ele só saberá se for. Se tentar descobrir. E, com o misto de destemor e resignação dos mais clássicos anti-heróis, daqueles que sabem não ter mesmo nada a perder nesse mundo, é o que ele faz.
Ed conhecerá novas pessoas nessa jornada. Conhecerá melhor algumas pessoas nem tão novas assim. Mas, acima de tudo, a sua missão é de autoconhecimento. Ao final dela, ele entenderá melhor seu potencial no mundo e em que consiste ser um mensageiro.

E como já mencionado acima, é do mesmo autor de “A Menina que Roubava Livros”, não é tão maravilhoso quanto, mas é uma ótima leitura.

Volto depois.

Juliana Esgalha Post por