Filme: Django Livre

Sinopse e detalhes
Django (Jamie Foxx) é um escravo liberto cujo passado brutal com seus antigos proprietários leva-o ao encontro do caçador de recompensas alemão Dr. King Schultz (Christoph Waltz). Schultz está em busca dos irmãos assassinos Brittle, e somente Django pode levá-lo a eles. O pouco ortodoxo Schultz compra Django com a promessa de libertá-lo quando tiver capturado os irmãos Brittle, vivos ou mortos.

Ao realizar seu plano, Schultz libera Django, embora os dois homens decidam continuar juntos. Desta vez, Schultz busca os criminosos mais perigosos do sul dos Estados Unidos com a ajuda de Django. Dotado de um notável talento de caçador, Django tem como objetivo principal encontrar e resgatar Broomhilda (Kerry Washington), sua esposa, que ele não vê desde que ela foi adquirida por outros proprietários, há muitos anos.

A busca de Django e Schultz leva-os a Calvin Candie (Leonardo diCaprio), o dono de “Candyland”, uma plantação famosa pelo treinador Ace Woody, que treina os escravos locais para a luta. Ao explorarem o local com identidades falsas, Django e Schultz chamam a atenção de Stephen (Samuel L. Jackson), o escravo de confiança de Candie. Os movimentos dos dois começam a ser traçados, e logo uma perigosa organização fecha o cerco em torno de ambos. Para Django e Schultz conseguirem escapar com Broomhilda, eles terão que escolher entre independência e solidariedade, sacrifício e sobrevivência.

Fonte: Adoro Cinema

Quentin Tarantino nunca me decepcionou em nenhum de seus filmes e Django entrou sem pestanejar pra minha lista de filmes preferidos. Christoph Waltz no personagem do Dr. King Schultz, na minha opinião, é quem rouba a cena do filme, mesmo com as atuações impecáveis de Jamie Foxx, Leonardo diCaprio e Samuel L. Jackson. O filme é recheado de diálogos inteligentes, cenas super engraçadas e claro – muito sangue, tiroteios e violência, que é a marca registrada de Tarantino, sem isso não seria um filme dele. A fotografia é perfeita e as atuações de todos são brilhantes, principalmente pra Samuel L. Jackson, que se eu bem me lembro de seus outros filmes, ele nunca havia feito um papel tão diferente assim.


Tarantino, que também teve a sua participação no filme, na minha opinião, é um diretor único em tudo que faz. Único porque ele consegue unir, por exemplo, o pop num filme de gênero faroeste como Django – o que faz dele um diretor digno de respeito mesmo. Aliás, em certas cenas eu notei algumas referencias, que podem escapar à nossa atenção – de Bastardos Inglórios e Pulp Fiction, mas não vou dizer quais cenas são, porque perderia a graça e não vou dar uma de spoiler aqui. Django Livre serviu pra compensar o desastre que Os Miseráveis foi pra mim ehehehehehehe. Assitam!!! É um filme excelente.


Django também está cotado ao Oscar nas categorias de:
– Melhor filme
– Ator coadjuvante pra Christoph Waltz (super merece)
– Roteiro original
– Fotografia
– Edição de som

Juliana Esgalha Post por