Livro: O Rouxinol

Esse é mais um daqueles livros que eu devorei muito rápido e que eu não poderia deixar de fazer uma resenha aqui. Particularmente eu gosto muito das histórias que são contadas no período da Segunda Guerra (eu acho que já disse isso aqui no blog) e esse me surpreendeu muito.

Sinopse:

“No amor descobrimos quem queremos ser. Na guerra descobrimos quem somos.”

França, 1939:

“No pequeno vilarejo de Carriveau, Vianne Mauriac se despede do marido, que ruma para o fronte. Ela não acredita que os nazistas invadirão o país, mas logo chegam hordas de soldados em marcha, caravanas de caminhões e tanques, aviões que escurecem os céus e despejam bombas sobre inocentes. Quando o país é tomado, um oficial das tropas de Hitler requisita a casa de Vianne, e ela e a filha são forçadas a conviver com o inimigo ou perder tudo. De repente, todos os seus movimentos passam a ser vigiados e Vianne é obrigada a fazer escolhas impossíveis, uma após a outra, e colaborar com os invasores para manter sua família viva.

Isabelle, irmã de Vianne, é uma garota contestadora que leva a vida com o furor e a paixão típicos da juventude. Enquanto milhares de parisienses fogem dos terrores da guerra, ela se apaixona por um guerrilheiro e decide se juntar à Resistência, arriscando a vida para salvar os outros e libertar seu país. Seguindo a trajetória dessas duas grandes mulheres e revelando um lado esquecido da História, O Rouxinol é uma narrativa sensível que celebra o espírito humano e a força das mulheres que travaram batalhas diárias longe do fronte.

Separadas pelas circunstâncias, divergentes em seus ideais e distanciadas por suas experiências, as duas irmãs têm um tortuoso destino em comum: proteger aqueles que amam em meio à devastação da guerra – e talvez pagar um preço inimaginável por seus atos de heroísmo.”

A história conta como foi a vida de duas irmãs Vianne e Isabelle na Segunda Guerra Mundial, ambas com personalidades e vidas completamente distintas mas com algo em comum: tentando sobreviver ao horrores da guerra com as doenças, os invernos implacáveis e a fome severa. O grande destaque deste livro são as mulheres e sua coragem.

“Feridas cicatrizam. O amor perdura. Nós continuamos.”

A história se passa na guerra do inicio ao fim, em uma narrativa em terceira pessoa intercalada entre as duas principais personagens e com outra em primeira pessoa feita por uma Vianne no pós guerra, muitos anos depois. O que de forma alguma quebra o ritmo da história, ao contrário, instiga mais ainda a curiosidade de quem está lendo. O final é ainda mais emocionante e surpreendente, me prendi na história do começo ao fim. O mais legal ainda é que descobri que teremos uma adaptação pro cinema feita pela TriStar Pictures e mesmo que a gente saiba que os livros sempre (ou quase sempre) são melhores que os filmes, eu tenho certeza que será surpreendente nas telas também. Vai ganhar as 4 xícaras de café, entrou pra minha lista dos preferidos.

cafe2-horz

0 comentários Comentário

Adicione um comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *