Meu processo ‘acadêmico’: 1 mês!

Meu processo ‘acadêmico’: 1 mês!

Assim como a Dai (uma das minhas incentivadoras, aliás, já viram a ideia nova lá do TPM de #ummesligh?) que sempre relata seus avanços na academia e acho que isso é uma forma de incentivo muito legal, não só pra quem escreve como também pra quem lê, vou deixar meu pequeno relato de apenas um mês de academia aqui pra vocês… Ou se já completou um mês, não me lembro.


Na primeira semana de exercícios eu achei que FOCE MORRÊ! Tudo doía. Eu achei que tinha travado meu corpo. Meu amigo pra brincar comigo perguntava porque eu estava andando que nem uma pata choca e como o dedo médio, além da língua eram as únicas coisas que não doíam em mim, eu mostrava o dedo ~educado~ e soltava alguns impropérios pra ele e nhá… Coisas de amigo, vocês entendem. Mas na primeira semana, mesmo com as dores eu passei a dormir melhor. Nas semanas seguintes a história foi outra: as dores passaram, não se repetiram com aquela intensidade absurda e eu notei que gradativamente a minha disposição para os exercícios foi aumentando de uma maneira considerável.


Sinto fome, mas nada monstruosamente absurdo – como o suficiente no almoço, sem exageros e se passo um pouco da conta me sinto pesada. À tarde SE me dá fome eu como uma barrinha de cereal ou uma goiabinha (que tem menos calorias que a de cereal) e à noite como salada, carne e tomo leite antes de dormir, às vezes me permito um pedacinho de chocolate, mas me acostumei bem com a gelatina, acho que principalmente por conta desse calor do inferno. Chocolate! Isso é uma coisa que sou viciada, mas olha que maravilha: percebi que com a academia (sei lá, pressuponho que seja isso), aquela vontade de matar qualquer um por uma barra de chocolate diminuiu bastante, tanto que o pote de Nutella que está aqui no meu trabalho eu só comi com cream cracker na primeira semana e depois acabei literalmente esquecendo dele, meu pai até estranhou. ¬¬


Tenho aparelho de aferir pressão arterial em casa e em alguns dias à noite eu tenho aferido pra saber como anda esse lado de dentro et voylá: sempre ente 11×8, 11×7, 12×8 – perfeita. Na esteira até eu estou me surpreendendo com meu próprio pique e faço 30 minutos naquele ritmo de trote quase uma corrida e minha meta é sempre 3 quilômetros e meio, essa semana vou tentar chegar nos 4 quilômetros. Já estou pensando em dar um fim na minha mesa e cadeira de computador que tenho na sala porque agora só uso o notebook e enfiar uma esteira lá, mas quando vi o what fucking this prices? na internet, resolvi deixar esse plano mais pra frente eheheheh.

A academia tem feito bem pro meu corpo – já tenho bracinho que posso trocar lâmpadas (ahahahhahah), perdi medidas na cintura e na barriga, tem feito muito bem pra minha saúde, mas tem feito muito bem principalmente pra minha cabeça, saio de lá como se tivesse pisando em nuvens e com a cabeça leve e vazia.


Desço junto com meu pai bem cedo e confesso: é uma tortura pra acordar, mas o único dia que resolvi voltar pra cama me arrependi depois, portanto acordar cedo É preciso. Faço todos os exercícios e na maioria dos dias faço as duas séries juntas, tomo meu banho calmamente e subo pro trabalho. Achava que não ficaria uma semana pelo fato de eu estar indo sozinha – sem a companhia dos meus amigos (lembram? O Ju foi pra outra por conta dos exercícios aeróbicos e o Evandro só pode à noite), mas sabe que eu estou adorando muito essa ideia de ir só?

Não que eu não gostasse da companhia dos meninos, ao contrário, foi muito gostoso fazer com eles e se não fosse pelo incentivo dos dois eu nem teria sequer começado ou estava procurando por alguma até hoje, mas é gostoso você às vezes se desprender de tudo e todos e saber que não é um bicho de sete cabeças fazer algumas coisas sozinha, ao contrário, passa a ser até mais gostoso! Bem, acho que por ora é isso e nunca pensei que fosse dizer isso porque sempre falava o contrário, mas honestamente estou adorando fazer academia.

P.S. As imagens são da Smart Fit aqui de São Caetano, aonde eu faço 🙂

Juliana Esgalha Post por