Sobre o final Sons of Anarchy

*****E como todo final pode haver algum comentário que contenha SPOILER (embora eu tenha tido o cuidado de não soltar nenhum), portanto: be careful.*****

Comecei a assistir Sons of Anarchy no final do ano passado. Criada por Kurt Sutter, a série conta a vida de um clube de motociclistas de uma cidade fictícia do norte da Califórnia. Dividido em 7 temporadas de 13 episódios, SOA não é um seriado novo, sua estreia foi em 2008 e terminou no ano passado. Não vou me estender muito na história pra não correr o risco de ficar escrevendo spoilers por aqui, mesmo com poucas falhas no roteiro (afinal é MUITA coisa acontecendo em 7 temporadas), dá pra dizer que foi uma história digna de obra arte e Sons of Anarchy pode entrar pra lista seleta de uma das melhores séries de todos os tempos.

soa

Pra todo mundo que acompanha seriados, a gente sempre fica um pouco apreensivo com o desfecho do final, acredito que esse é o ponto crucial que determina de uma vez por todas se o seriado vale a pena ou não assistir, independente até da história que rolou antes. “É bom, mas o final é uma droga” – tem bastante seriado que é assim: com uma trama bem contada, mas que diretores e roteiristas perdem a mão no final e muitas vezes isso frustra totalmente quem acompanha. O ultimo que fiquei assim foi com Dexter; bom seriado, com ótimos atores, mas com o final tão ruim que pra mim não teve nada a ver com a história que acompanhei por anos. Deu até raiva. O mesmo foi com True Blood e embora o motivo foi que a série já tinha perdido a mão na história nas ultimas temporadas, eu não tive paciência nem de ver a temporada final.

SONS OF ANARCHY: Katey Sagal. CR: James Minchin III / FOX

Sons of Anarchy [felizmente] não foi assim. Ouso em dizer que todos os seriados que já assisti, de todos mesmo, foi o final mais incrível já feito e isso foi o que mais me deixou satisfeita. Após acompanhar uma série de 7 temporadas que mesmo com algumas falhas mínimas de continuidade e alguns momentos em que não acontecia nada, foi uma história fantástica do começo ao fim. E melhor ainda: com o final épico.

sons-anarchy

Jack Teller é o personagem principal e conforme vai chegando ao final, você sabe qual será o destino de sua história porque realmente não há caminho por onde ele possa escapar, você também tem alguns palpites sim de como será seu fim, mas não faz ideia de como irão fazer isso e pra mim, esse ponto foi o mais legal: o final foi o melhor possível. Não poderia ter sido outro.

Jax-and-Chibs

Sons-of-Anarchy

Com uma atmosfera mítica que acompanhou algumas cenas durante toda a trama, há a personagem de uma mendiga e que mesmo ficando a pergunta no ar de “quem é você?” sem uma resposta, isso ajudou a construir um final que Kurt Sutter conseguiu colocar uma alusão religiosa e até mesmo poética com direito a citação de William Shakespeare em uma série que foi o tempo todo muito violenta, caótica e envolta de muitas mentiras e perdas. Sons of Anarchy teve um final incrível e Jack Teller sempre na linha tênue de um criminoso frio mas de um homem com bom coração, mostrou que todas as suas atitudes tiveram as suas devidas consequências, e por mais que ele tenha procurado uma mudança, não tinha como escapar – era o seu destino. Jack Teller foi épico.

Aliás, duas coisas que PRECISAM de comentários: a trilha sonora do seriado TODO foi maravilhosa e isso deu muito mais emoção a história. E as participações de várias pessoas ilustres, por sinal – fãs da série e que foram desde Stephen King a Marilyn Manson, isso foi realmente incrível. Agora fica aquele vazio de acabar e aquela depressão pós seriado, mas sem duvida alguma, entrou pra minha lista de seriados preferidos. SOA vai deixar saudades.

2 comentários Comentário

  1. Eu sinceramente, não achei o final tão épico, mas a série foi tão boa ao longo dela, sem ficar cansativa ou parada, que jamais a julgaria pelo final. Eu chamava de “minha novelinha mexicana de motoqueiros”, haha!
    Valeu muito a pena ter assistido SoA, agora tô carente de séries fodonas 🙁

    Bjs,
    Re

    Responder
  2. Flávio Alexandrino

    Achei o final miticamente muito determinista. É como se tudo se encaminhasse para aquele final. O personagem não tem liberdade. Não gosto disso.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *