Arquivo

blog

Posts em blog.

Entrevista pro Na Mesa Com Rodrigo

Esses dias eu estava pensando em como a corrida mudou pra melhor a minha vida em todos os sentidos: físico, emocional, social, dia a dia… – TUDO! De carona nisso, também mudou muito a vida do Rick que hoje em dia, além de correr mais rápido do que eu (hunft! ahahaha), fez com que ele perdesse peso e parasse de fumar (e além de tudo é meu pacer nas corridas). É muito bom quando você se encontra em algo relacionado ao esporte porque a gama de benefícios que isso traz pra vida é realmente muito grande.

Hoje, meu amigo querido de longa data – o Rodrigo, publicou no blog dele Na Mesa Com Rodrigo (um blog que tem posts incríveis sobre alimentação, psicologia, músicas – vale a pena adicionar nos favoritos, tem também a fanpage no FB) uma entrevista muito legal que ele fez comigo sobre como e quando a corrida entrou pra minha vida, ali eu falo de muitas coisas: da Equipe Viva, dos benefícios, dos meus desafios pessoais, tem até playlist com músicas pra animar quem quer correr, segue o link pra quem quiser ler tudo na integra. E Rô, muito obrigada por me escolher pro seu blog pra falar de algo que amo muito!

Corrida Athenas, que estou inscrita pra próxima etapa que será 16k

Corrida Athenas, que estou inscrita pra próxima etapa que será 16k

TAG: 7 Coisas

Adoro essas tags de listas de coisas que falam mais sobre cada um que está por de trás de um blog. Essa tag eu vi no blog da Raquel do Maionese, espero que gostem e se inspirem, se fizerem depois coloquem pra eu poder ler também sobre vocês, combinado?

7 coisas para fazer antes de morrer

– Conhecer TODOS os lugares do mundo que ainda quero ir.
– Fazer trekking em algum lugar inóspito pra testar meus limites, tipo o Alasca.
– Morar ou passar um tempo fora do país sem ser uma viagem.
– Aprender a costurar.
– Correr meia maratona.
– Participar de corridas fora do país.
– Ter uma casa com meu próprio jardim.

7 coisas que eu mais falo

– Que fome!
– Affe…
– Mas que cu.
– Tipo…
– Num creio!
– Lacrou!
– Adoroooonnn!

7 coisas que eu faço bem

– Decorar minha casa.
– Drama.
– Arroz de forno.
– Pesquisas sobre qualquer assunto que me interessa.
– Ignorar.
– Criar playlists.
– Comer.

7 coisas que me encantam

– Gentilezas (principalmente de desconhecidos).
– Gaita de fole.
– Filhotes de qualquer bicho.
– Cheiro de chuva.
– Casas simples e aconchegantes.
– Histórias de superação.
– Londres.

7 coisas que eu não gosto

– Verão.
– Indiretas.
– Jeitinho Brasileiro.
– Gente folgada.
– Barulho.
– Avião.
– Bife a role.

7 coisas que eu amo

– Viajar (cê jura?).
– Ler.
– Seriados fodas com finais incríveis.
– Rir com os amigos até o rosto doer.
– Intervenções artísticas nas ruas.
– Rick.
– Meus filhos de 4 patas.

internet nossa de hoje em dia…

Desde que a Lia mudou a plataforma do MAP pro WordPress (sempre digo que foi ela, pois é o tipo de coisa que eu definitivamente não sei fazer sozinha) eu estava engajada em organizar bem bonitinho todos os meus mais de 1.200 posts aqui, já que a mudança deu uma boa bagunçada nos arquivos e os únicos que estão perfeitamente arrumados são os mais recentes, ou seja, coisa de um ano/um ano e meio pra cá…

Comecei a fazer isso, juro… Mas confesso que ainda está longe de terminar. De qualquer forma, essa semana houve um dia que eu estava bem ociosa aqui no trabalho e (re)comecei e dar uma olhada nos arquivos do blog, ver o que estava perdido por aí, reler algumas coisas, enfim… Alguns posts com a mudança realmente foram perdidos e não consegui recuperar, mas não lamentei por isso, simplesmente fui dando uma organizada. Eu não sei se isso acontece com todo mundo que escreve em blogs há muito tempo (muito tempo é quando eu digo de 10 anos pra mais), mas quando eu, por exemplo, me pego lendo meus arquivos antigos, me dá um certa vergonha… AHAHAHAHAHAHA. Não vergonha pelo que escrevi em si, aliás, nem sei se a palavra ‘vergonha’ seria a mais adequada pra definir o que eu quero explicar, mas tem muita coisa que escrevi lá atrás e que hoje, se fosse a mesma situação, eu escrevia melhor e de uma uma forma diferente, entendem?

inter

Percebi que mudei meu pensamento em muita coisa em relação a um monte de tipo de assunto, outros permaneceram como sempre pensei, o jeito de escrever obviamente também mudou e ainda bem, porque sinto que melhorou (assim espero) em muita coisa, e por tudo isso, uma coisa que me pegou bastante e acredito que todos irão concordar comigo é que a internet de hoje está muito diferente da internet de sei lá… 10 anos atrás. Aliás, esse foi um assunto que conversamos no outro dia com uns amigos (da internet) numa mesa de bar e uma coisa é fato: as pessoas hoje em dia estão mais maldosas e bisbilhoteiras do que nunca.

A prova disso é só você pegar as notícias dos grandes portais e ver a quantidade de assunto que tem intriga, briga, barraco, lavação de roupa suja e até crime, você descobre que o assunto muitas vezes começou pela internet, o numero é absurdamente grande e as situações são assustadoras. Se antes você tinha que esperar até meia noite pra se conectar via acesso discado porque era mais barato, hoje você tem internet dentro do seu celular pelo tanto tempo que quiser e aonde quiser, é muita gente que passa muito tempo online com a cara enfiada numa tela, do que na vida ‘do lado real’ – literalmente falando e não vê o mundo girar. Isso por um lado implica em coisa boa ou não: Ao mesmo tempo que você pode consultar os horários no cinema daquele filme que você de repente resolveu assistir, pedir comida, comprar pela internet (o que eu amo, de verdade), você também pode dar uma stalkeada naquele seu desafeto enquanto espera o ônibus ou se você for do tipo bem baixo, ainda pode xingar aquela pessoa que você não gosta ou sente uma inveja jamais admitida e tudo isso quase sempre ‘protegido’ pelo véu do anonimato. Eu acho que é aí que mora o perigo.

Se eu me basear por mim, posso dizer, graças a Deus que nunca fui perseguida por algum stalker sociopata em potencial que viesse aqui 24 horas por dia me xingar, fuçar minha vida ou pior ainda: que de alguma forma me prejudicasse por isso (porque pagar as contas ninguém se propõe, né?). Tirando uma única pessoa – a ex do meu marido que certa vez, através da forma mais besta (os ips dos comentários) eu descobri que ela chegou até a criar um blog e comentava aqui de vez em sempre: ora falando bem de algo que eu tinha escrito, ora me xingando, mas SEMPRE me observando. Isso foi em meados de 2006… Acho… O fato é que não demorou quase nada de tempo pra eu descobrir que esse stalkeamento se tratava de uma mesma pessoa, e aí o que dia confrontei isso com ela via email, ela simplesmente jogou a bolinha de fumaça e PUF! – sumiu (pelo menos hipoteticamente falando, nunca mais apareceu por aqui e hoje eu prefiro acreditar que nunca mais veio mesmo, que ela tenha me esquecido de verdade, enfim… pelo menos não apareceu mais comentando e eu também não tenho paciência e muito menos tempo de ir atrás pra ficar consultando os acessos do blog). Ainda bem que nunca fui prejudicada realmente por ela, essa história não rendeu nem uma espinafrada mutua de ‘elogios’, um bate boca ou uma atarracada de unhas direto no cabelo, mas me lembro que na época eu achei isso um disparate tão doentio e absurdo que, eu ficava indignadíssima de constatar como alguém despendeu um tempo da própria da vida, pra vim saber da minha… Eu me perguntava uma coisa que até hoje, não tive uma resposta efetiva: Pra quê isso?

A verdade é que eu nunca mastiguei essa questão muito bem (falando agora de um modo geral, mas sobre esse ponto), eu simplesmente não consigo compreender esse tipo de ~~~curiosidade~~~ que alguém tem na vida daquele que não gosta, porque dependendo da situação, se você quer – você prejudica sim, mas mais ainda: você prejudica a si mesmo. E qualquer um sabe disso. Sabe sim, não tem como não saber. Hoje, esse fato que aconteceu comigo é engraçado porque quando me lembro disso eu dou muita risada sozinha, mas porque principalmente se eu comparar com as coisas que a gente vê por aí no mundo de hoje ou até de relatos de pessoas próximas a mim, essa história foi apenas mamão com açúcar. Todo mundo conhece alguém ou um fato assim que é daí pra pior.

É claro que não estou aqui querendo bancar a mensageira do apocalipse com tudo isso que estou escrevendo, aliás, esse post está ficando muito mais longo do que eu pretendia – virou textão, mas justamente por hoje não ser igual ontem, eu acredito que algumas medidas as vezes você precisa se obriga a tomar. Questão de auto preservação, sabe? Eu sempre partia da premissa que se o Blog/FB/Twitter/Whatever é meu, eu escrevo o que eu quiser – aliás, é um argumento simplista de muita gente, inclusive… Mas hoje eu percebo que ‘o que eu quiser’ implica em monte de consequências que tanto podem ser boas como ruins e aí batemos na tecla que tem muita coisa que é melhor guardar pra você porque, quanto menos gente souber da sua vida, mais as coisas boas acontecem, melhor também do que ficar passando nervoso a toa por nada de algo que você poderia ter se poupado, até porque tem muita gente que usa esse mesmo argumento de ‘o que eu quiser’ pra escrever absurdos, ofensas e mostrando muitas vezes, uma faceta sombria daquele alguém que até então você achava que conhecia.

Muita gente hoje em dia tem uma necessidade de mostrar tudo que faz/tem pras outras pessoas: onde foi no fim de semana, o que comprou, o que comeu, pra onde foi viajar, o que está fazendo no momento… Eu mesma já agi muito assim, ainda faço isso, mas me policio bastante… Não acho isso totalmente errado e muito menos é da minha conta o que cada um faz com a vida, mas hoje particularmente, penso que tem muita coisa, que dá margem pra outras pessoas virem e se portarem com você, como acham que tem devem se portar – goste você ou não, inclusive, se intrometendo daquela forma que ninguém.te.perguntou sendo que o resultado geralmente costuma dar em merda… Também existe aquele tipo de pessoa que adora ser do contra em tudo e sai por aí vociferando comentários que em sua maioria, infelizmente, são negativos. Muita gente tira isso de letra, mas tem quem não tira e se importa, e por mais que cada um aguente a sua própria chatice porque aguentar a chatice dos outros ninguém é obrigado, na prática não é tão fácil assim. Tudo isso que estou dizendo (eu acho) que já existia antigamente (me senti uma anciã de 700 anos agora), mas com certeza era um numero BEM menor e acredito que até de um jeito mais suave.

Fui mexendo nos arquivos do blog – que não é pouca coisa e fui fazendo minhas alterações de coisas que simplesmente decidi não mais compartilhar com ninguém e deixar só pra mim, fui fazendo como achava que tinha que ser feito e isso foi de tudo que já escrevi por aqui: de quando criei o MAP, de quando me casei, de quando me formei, de quando fiz 1, 2, mil tatuagens até de algum seriado ou filme que tinha assistido – assunto que não teria qualquer tipo de relevância pra ninguém, absolutamente tudo! – e quando me dei conta; tinha colocado mais de 700 posts no privado! =O

Fazendo as contas com o numero que disse no começo, mais alguns que deletei, isso significa que eu tenho mais posts no privado que os publicados que deixei. Me assustei com isso, me perguntei se estou ficando ranzinza ou até neurótica com internet, mas confesso que estranhamente me deu um certo alívio… E se mais pra frente eu quiser mudar isso pra publico novamente é só eu alterar no painel do blog. Não foi por nenhum motivo específico – por isso que disse que o alívio foi até estranho, nem por motivos de brigas, gente louca seguindo, nem nada… Porque como disse: já tive sim muito arranca rabo por aí, mas eu nunca tive problemas sérios na internet e aqui no MAP as coisas sempre foram tranquilas, mas a gente dança não mais conforme a musica, mas sim como a gente quer dançar e se de repente tiver tocando um Kenny G e eu quiser dançar uma lambada porque sei que vou me sentir melhor, tudo bem nisso, afinal, essa vida aqui – a minha vida, tem todos os direitos reservados. 🙂

Carta aberta para Juliana de 2004 em diante

Essa ideia sensacional eu li no blog da Vic do Borboletando que também está em um grupo do Facebook chamado Rotaroots – Em prol da Blogosfera Old School – ao qual eu estou fazendo parte agora. Na verdade tudo foi inspirado na TAG original do Hypeness e eu gostei tanto que resolvi escrever também. O tema é você escrever uma carta pra você mesma contando como foi a vida de 10 anos atrás pra cá e o que você ainda precisa mudar, melhorar, continuar, enfim… Aquelas perguntas simples que todo mundo as vezes se pergunta: o que de diferente foi de 10 anos pra cá? Faria a mesma coisa? Mudaria tudo? Quais conselhos que eu me daria anos atrás? Aparentemente parece tudo muito clichê, mas acreditem: não é! É praticamente uma auto analise, uma auto critica ou apenas bons conselhos que todos deveriam um dia fazer para si, mesmo que isso não fosse redigido pra um blog ou um papel.

carta-cat-post

Espero que esse post sirva como uma inspiração para outras pessoas e claro, principalmente pra mim que procuro sempre ser uma pessoa melhor. E complementando a carta, vai rolar até uma musica junto (thanks Vic, ‘roubei’ esse plus da sua ideia), pra ficar mais emocionante:

“Olá, Ju! Tudo bem?
Bom, eu sei que está tudo bem com você, afinal sou eu mesma me escrevendo uma carta e embora esse pedaço de frase pareça bem estranho, faz muito sentido quando se começa uma carta tão pessoal como essa, afinal de contas sou eu, falando com meu eu. 10 anos se passaram, tudo foi tão rápido e muitas coisas aconteceram, não é mesmo? Coisas que você achava que um dia aconteceriam, mas que talvez por algum motivo demorassem mais tempo enfim chegaram, na verdade, na sua hora mais certa… É como você sempre gostou de pensar – por mais torto ou por mais perfeito que essa hora fosse. Em 10 anos, você namorou, noivou, se formou na faculdade, casou, viajou, arrumou bichos de estimação e de uma maneira geral aproveitou bem a sua vida, embora você sempre acredite que esse lance de “aproveitar a vida” sempre dá pra ser melhor… E você não tem o que realmente reclamar prestes a completar 35 anos, é uma pessoa feliz, saudável, do bem, mas assim como todo mundo (e ainda bem!), obviamente não é perfeita… E mesmo já tendo aprendido a lidar com muitas coisas que você aprendeu tanto pelo amor como pela dor, há aquelas que você pode melhorar e sabe muito bem disso. A vida é um eterno aprendizado, minha querida. Mas é claro que não é só isso, você é cheia de qualidades também; é linda, educada, querida, radiante e muito modesta! Vamos então, conversando despretensiosamente, assim tudo fica mais simples… Pra que complicar, néam gata?

Seja menos ansiosa. Você até ri quando eu digo isso porque sempre foi assim desde que se entende por gente. Você sempre foi ansiosa e sabe disso, mas sabe que isso já fugiu do seu controle algumas vezes e embora hoje você tenha total domínio sobre essa ansiedade, sabe também que uma hora pode acontecer de novo, porque você é simplesmente uma humana-mortal feita de carne, osso e coração. Mas sério: seja.menos.ansiosa – ok? Em 2011 você teve uma depressão e isso deu uma grande sacudida no seu emocional e você se sentiu péssima, e bem… Deve ser pelo fato de que você realmente ficou péssima. Depois de muita choradeira e muita tristeza, aquela tempestade que você pensava não ter um fim, foi se dissipando aos poucos e tudo nessa sua cabecinha foi ficando mais claro. Não foi de um dia pro outro, eu sei e você amadureceu muito com isso e olha que legal; passou a se conhecer e a se compreender melhor. Compreender inclusive, o mundo a sua volta e tomar como relevante aquilo que realmente tivesse alguma importância na sua vida. Em 2014 você estará curada da sua depressão, mas sabe que é uma pessoa irremediavelmente ansiosa. Sabe sim a se controlar melhor, toma até remédios pra isso que eu espero em 2014 não precisar mais deles, mas sabe que 90% da sua melhora só depende de você. Então respire, relaxe e sofra menos por antecipação – realmente você não precisa disso porque você acaba vendo coisas aonde não tem e depois se sente uma ridícula por isso, afinal de contas, você sabe que é uma pessoa forte, mas muitas vezes duvida dessa sua fortaleza. Acredite mais em você.

Eu tinha dito que você aprendeu a dar importância pra apenas o que fosse realmente importante, mas nem sempre você faz isso. Principalmente quando o assunto é pessoas. Você é do tipo que quando não está mais se entendendo com aquela pessoa, você simplesmente larga de lado e toca sua vida civilizadamente: não conversa mais, não liga mais, não procura mais e fim. Cada um com sua vida, cada um no seu quadrado, sem mágoas. Porém as vezes tem assuntos e pessoas que são bem mais pequenos e que você dá aquela importância besta que realmente não merecia. Simplesmente releve e siga em frente por mais que você justifique dizendo que não tenha sangue de barata. Ninguém tem, mas né… Você é adepta da frase: “aquilo que não te acrescenta, em nada te fará falta” então cerque-se apenas de pessoas e coisas que te fazem bem e feliz. O que não faz; não dê ouvidos, deixe de lado e não insista por mais de duas vezes, senão com certeza você irá se estressar a toa. Tá cheio de gente ocupando um espaço desnecessário no planeta e você realmente não precisa disso.

De 2008 em diante você teve mais do que certeza de que não queria e nem irá ter filhos. Você nunca gostou muito de seguir esse tipo de padrão da sociedade e isso é uma coisa mais do que decidida na sua vida. Em contra partida tem um cachorro e dois gatos que nesse período de 10 anos entraram na sua vida e só te trouxeram coisas maravilhosamente boas – você sempre diz isso, sempre diz que neles encontra a paz que muitas vezes procura e acho que seu instinto maternal está exatamente neles e não se importa com quem de repente, tenta menosprezar com isso essa sua opção, aliás, nunca deixe que façam isso com você. Você defende muito bem a causa animal, não tem problemas em dizer que prefere mais seus bichos a muita gente que conhece e depois que começou a ajudar sempre a ONG aonde adotou seus gatinhos, isso te fez um bem enormeeeee que talvez nem você mesma ainda tenha se dado conta. Nunca pare com isso, é sério: nunca pare de ajudar quem você acha que precisa – seja bicho ou pessoa. E sempre que puder fazer mais, faça… E eu sei que irá fazer.

Em 2008 também você realizou o grande sonho da sua vida que foi conhecer a Inglaterra, aliás, sonho esse que você sabia que um dia iria acontecer, mas que achava que demoraria mais tempo… E olha como a vida é maravilhosa: semana que vem está indo viajar outra vez e como ‘plus’ estará mais uma vez indo pra Inglaterra – agora pela TERCEIRA VEZ. Você sempre gostou de viajar – algo que herdou dos seus pais, mas foi de 2008 em diante você tomou isso como um objetivo de vida e acredite: isso é sensacional, garota. Você já conheceu muitos lugares, irá pra outros tantos mais na semana que vem (ui deu um frio na barriga, né?) e aprendeu sozinha a ver coisas maravilhosas por mais simples que fossem nessas suas viagens pelo mundo afora. Você sempre pega pedrinhas de alguns lugares pra trazer pra casa, acho tão fofinho esse hábito. Cada vez que você chega até o ponto mais distante de um destino você sempre diz: “agora sim estou bem longe de casa” e isso sempre teve um grande impacto bom que só “nós” sabemos como isso funciona dentro de você, portanto, continue com aquela meta de fazer uma viagem por ano e se puder: faça mais, muito mais. Viaje! Você precisa disso na sua vida. Conheça o mundo, explore o que tem nele porque isso você sabe perfeitamente que quando olhar pra trás, terá a doce certeza que cada segundo valeu a pena.

Leia mais, embora você estará realmente empenhada nisso em 2014 já que seu 2013 foi um fracasso com os livros, mas ler nunca é demais e acredite: dá pra melhorar! Escreva mais, blog sempre foi uma terapia pra você. Fique menos no Facebook, embora você já esteja melhorando nisso também, mas não custa lembrar. Se apegue nos pequenos prazeres que você gosta e te fazem bem. O simples sempre te apaixonou, então não é difícil te agradar, seja menos preguiçosa e vá mais vezes a academia, e tente algum outro esporte se não for pedir demais… Certa vez você tinha cogitado de fazer natação. Pois então, pense nisso.

Siga seu coração, há muitos anos atrás você dizia “só que arrependo do que não faço” e mais pra frente você concluirá que não é bem assim, todo mundo se arrepende de alguma coisa e se errar: seja humilde, peça desculpas, levante e tente de novo – até conseguir o certo. Ah, e continue com aquela mania de anotar frases de filmes e livros, é bem legal isso, essas frases sempre foram muito confortantes em vários momentos da sua vida e talvez você só esteja se dando conta disso, agora que está escrevendo essa carta.

Pra finalizar, nunca deixe de ser quem você é – na sua essência e seja sempre humilde em saber que precisa aprender mais, seja lá o que esse aprender signifique não importando o tamanho do aprendizado. Se quiser mudar em alguma coisa, mude por você em primeiro lugar. Quando se sentir só ou aflita, vasculhe os arquivos do blog, ouça a música e leia esse post novamente pensando com muito carinho em mim mesma. Eu te amo e você também se ama!

Com amor, do seu eu em 2014
Juliana”

Quer ler as outras cartas? Quer fazer o mesmo? Entre pro grupo Rotaroots no Facebook para acompanhar as outras atualizações e leia a TAG original “Uma Carta” no blog Hypeness.