Arquivo

notícias

Posts em notícias.

Goodbye, Orkut

Google decide de tirar o Orkut do ar neste ano

Há anos que eu já tinha deletado meu Orkut. Mas ao ler essa notícia, confesso que me deu uma pontada de tristeza e saudade. Foi a primeira rede social que participei e quiçá, a mais insana também. O Orkut era assim; com comunidades divertidas e sem finalidade alguma (“pq a Hello Kitty não tem boca?” “Niilismo miguxo”, “dançando e ofendendo”, “cabras não tem muitas ambições” e assim ia…), sem contar os depoimentos (“o que dizer dessa pessoa que…”), os buddy pokes, a sorte do dia, a porcentagem dos gelinhos, carinhas e corações que respectivamente correspondiam ao legal, confiável e sexy que cada pessoa era, a falta de segurança que a rede tinha e vira e mexe algum amigo tinha a conta ou uma comunidade invadida, os “no donut for you” que deixava todo mundo louco quando saia (quase sempre) do ar ou quando no começo de tudo, era até um motivo de agregar valor ao camarote dizer que tinha recebido um convite pra entrar no Orkut e no final – quando tudo já tinha descambado e você resolvia deletar a conta, a palavra “orkutizou” já explicava todo o motivo da saída e ouso em dizer que essa poderia ter até entrado pro dicionário. Eram muitos detalhes e muitas outras coisas que só quem conheceu o Orkut irá entender…

orkut

Acho que boa parte da saudade que o Orkut irá deixar é que diferente de como está o Facebook, o Orkut não tinha cagação de regras, chorumes ou mimimis em proporções épicas como tem hoje. As pessoas eram menos chatas e mais suaves principalmente com as palavras. Aliás, pessoas essas que boa parte, são as mesmas que estavam no seu Orkut e que hoje estão no seu FB, mas que por algum motivo, eram mais legais antigamente – mesmo que, se essas mesmas pessoas teimavam em deixar aquelas imagens em .gif cafonas e piscantes de “passando aqui pra desejar um bom final de semana” no seu scrapbook e que você sempre deixava um recado de aviso já pronto: “leio e depois apago” (eu mesma, fazia isso).

O Orkut tinha as brigas sim, mas em bem menor escala como é hoje no Facebook e por mais que tivesse alguma (ou todas, pensando bem) falha na segurança e falhas em mais um monte de coisas; de alguma forma, a gente se sentia mais feliz e com o coração quentinho no Orkut… Algo que no Facebook, a grande maioria não se sente mais assim porque por muitos motivos que nem vou perder meu tempo em listar, simplesmente encheu o saco de muita gente. Acho que esse breve resumo que dei, é a nostalgia que o Orkut, agora com um fim próximo, causou nas pessoas… A gente era feliz e não sabia, mas não teria uma volta e foi bom enquanto durou na vida cibernética de cada um. Mas sim, vai deixar saudade principalmente porque, por mais insano e sem noção que fosse, o Orkut – ao seu modo – ensinou pra gente o real significado de uma REDE SOCIAL.

MDNA in Brasil: a nova revolução de Madonna já começou

Todos os créditos do texto são de Ronald Villardo, jornalista do jornal O Globo. Aqui o link da onde o texto foi extraído. MELHOR CRÍTICA EVERRRR sobre essa turnê da Madonna, vale a leitura:

ACABOU. Madonna veio ao Rio, ao Brasil, fez o que tinha que fazer, e acabou com a expectativa carioca em relação à apresentação da turnê “MDNA”, um show impecável. Por conta da web, prioritariamente via a plataforma das redes sociais, podemos acompanhar cada apresentação ao redor do planeta. Vimos a estreia em Tel Aviv – disponível em versão completa no Youtube – e seguimos cada modificação sofrida pelo show ao longo da estrada, por cada país onde pisou a diva. Entre os destaques, alguns momentos tensos/controversos, como a ocasião em que por pouco não foi presa na Rússia por defender abertamente a liberdade de expressão (lembre-se de Pussy Riot); o desafio à direitista francesa Marine Le Pen ao projetar uma suástica na testa da líder no show de Paris; o polêmico pocket show no Olimpia; a inclusão da sempre requisitada “Holiday” em Nova York; o erro de coreografia que resultou no soco de verdade que ela levou de um bailarino, a deixando com o rosto sangrando – sem parar o show – na Colômbia; a “periguete” no Rio… a gripe em Porto Alegre…

PARTICULARMENTE, acho MDNA um dos shows mais relevantes da carreira de Madonna Louise Ciccone. É um show-assinatura, numa época importante. Uma rubrica de quem precisou dar um passo à frente dos outros artistas que mudaram o cenário pop nos últimos quatro anos, depois do encerramento da turnê “Sticky and sweet”, em 2008/2009. De lá para cá, houve um redesenho do ecossistema no mundo pop, com astros muito jovens, como Justin Bieber, ganhando relevância acima do esperado, além de, claro, as neodivas, concorrentes diretas de Madonna. Enquanto a nova geração assumia o comando, deixando Britneys e Missy Elliots pra trás, a diva se exercitava na direção de cinema, um dos caminhos que ela certamente tomará nos anos que vêm por aí.

EM “MDNA”, Madonna fez seu trabalho com a perícia e a habilidade de sempre. Com um currículo consistente na indústria da música, ela conquista a prerrogativa de citar a si própria para lembrar a todos, e principalmente aos mais jovens, de onde vem a maior parte das ideias que eles apreciam na nova constelação musical. Inventou um palco sem precedentes, com blocos móveis que podem derrubar o artista que resolver tomar umas e outras antes do show. Misturou tradicional com o novo, fez mash-ups, rezou, e foi do inferno à celebração, na “jornada” de MDNA, para usar a palavra que a própria utIliza para definir seu show.

O ÚNICO problema é que Madonna ousou ser o primeiro ícone pop do planeta a envelhecer na frente do seu público. Ela não morreu antes dos 60 anos, como Michael Jackson. Nem decidiu se esconder como David Bowie. Muito menos vive de sucessos do passado, como Cindy Lauper ou Elton John, já que, aparentemente, viver de greatest hits alivia a barra e conquista simpatia do público diante do popstar, digamos… “sênior”.

MADONNA NÃO quer simpatia. Quer briga. Ela está ativa e não vai parar tão cedo de dar a cara a tapas, disputar paradas, se arriscar.

POR ISSO mesmo, a loura declarou ao apresentador Luciano Huck que só tirará DUAS SEMANAS de férias após o encerramento da turnê, dia 22, em Córdoba, na Argentina. O que ela vai fazer quando estiver de volta a Nova York, na primeira semana de janeiro, ninguém sabe. Mas é certo que ela estará relaxada depois de um tempo “off”, pronta para começar a cumprir seus projetos futuros. Entre eles, está o de mostrar ao mundo como uma popstar do tamanho de Elvis e de Michael pode envelhecer produzindo. A quem pensou, portanto, que Madonna não tinha mais nenhuma revolução em vista, aqui vai um conselho: pense melhor.

News: Madonna

News: Madonna

Essa semana duas grandes noticias sobre a Madonna bombaram na internet, a primeira delas é de uma suposta turnê em 2012 aqui no Brasil patrocinado pela Sminorff, cujo projeto se chama The Smirnoff Nightlife Exchange Project que irá selecionar um dançarino para a próxima turnê da Madonna.

A turnê ainda não tem nome mas tem previsão para julho de 2012 e segundo a notícia Madonna passará pela America do Sul, incluindo o Brasil, no site MadonnaOnline tem bastante informação a respeito!



Eu sinceramente ainda estou pagando pra ver, só vou acreditar mesmo quando tiver perto ou quando for oficialmente confirmado por parte do site oficial dela, lembram quando todo mundo confirmou e fez um puta blábláblá acreditando que ela vinha e depois todos nós ficamos chupando o dedo? Pois é!

Outra notícia que começou a bombar foi o lançamento do seu próximo álbum previsto para abril do ano que vem, com o primeiro single lançado em fevereiro. Quem divulgou essa informação foi o jornal Examiner, mas não confirmações oficiais sobre os produtores. E, é através desse álbum (ainda sem nome) que ela vai começar sua turnê. Ok, então vamos ver o desenrolar disso tudo!

11/09/2001

MÚSICA DO DIA: A SUA MANEIRA – CAPITAL INICIAL

11/09/2001

Hoje eu ia escrever sobre o Stonehenge à vc’s – queridos e fiéis leitores, mas o 11 de setembro é uma data que não me deixa esquecer aquele acontecimento de 7 anos atrás… Muita gente – talvez a grande maioria pessoas que vivem nesse pequeno mundo de surpresas, acha que esse atentado foi uma boa e merecida resposta aos EUA… Mesmo que essa resposta tenha sido com a morte de tantas vidas inocentes, e resposta ou não, consequências boas ou ruins, de todas as coisas trágicas que eu já vi em 29 anos da minha vida, essa sem duvida foi a que mais me marcou…

Me marcou talvez por acompanhar tudo em tempo real, ou talvez pq quando eu vi o segundo avião chocando-se com a outra torre, por uns 10 segundos eu cheguei a achar que era alguma cena pra mais um filme hollywoodiano, ou talvez pq vendo esse tipo de coisa a gente crê cada vez mais que o mundo está perdido mesmo…
E tratando-se de mundo é evidente que já aconteceram absurdos muito piores do que esse e isso eu concordo plenamente, mas se vc perguntar a cada pessoa sobre o 11 de setembro de 2001, todos e até aqueles que são mais esquecidos, irão se lembrar muito bem de como foi esse dia.

Pra mim foi um dia longo e cansativo aquele 11/09…
As palavras que eu mais ouvi foram: “guerra”, “atentado”, “fim do mundo”, “terroristas” e que depois perpetuaram por mais um longo tempo (ou até hoje).
Eu não lembro do meu 11 de setembro do ano passado, mas lembro-me perfeitamente do meu 11 de setembro de 2001…

Quando eu estava na faculdade uma professora nos mostrou 11 curtas, de 11 minutos, produzidos por 11 pessoas, de 11 paises e com 11 visões diferentes sobre o 11 de setembro, o que eu mais gostei foi de um produzido por ninguém menos que Sean Penn – um dos meus atores preferidos, vale a pena dar uma olhada e ver um 11 de setembro um tanto quanto… Diferente:

Ok, o próximo post será o Stonehenge!