Arquivo

Anne Frank

Posts em Anne Frank.

Backpacker: O Anexo da Anne Frank em Amsterdam

O anexo da Anne Frank foi fundado no dia 3 de maio de 1960 em sua memória, aonde ela e mais 7 pessoas permaneceram escondidas durante a Segunda Guerra Mundial. Em 3 de maio de 1957, seu pai – Otto Frank (que faleceu em 1980) criou o Instituto Anne Frank com o objetivo de salvar o edifício da demolição e tornar o diário de Anne mundialmente conhecido. Anne Frank escreveu o seu diário entre 12 de junho de 1942 e 1 de agosto de 1944 durante a Segunda Guerra Mundial enquanto esteve escondida em Amsterdam. Foi no seu período dos 13 aos 15 anos de idade que Anne detalhou como era viver escondida em um anexo e, no meio disso tudo, muitos de seus sonhos também.

No dia 4 de agosto de 1944 o anexo for descoberto pela Gestapo – possivelmente através da denuncia de um informante que nunca foi identificado, Anne Frank foi separada dos seus pais e mandada para o campo de concentração de Bergen-Belsen… Foi lá que Anne Frank faleceu no fim de fevereiro de 1945, aos 15 anos de idade. Seu diário foi encontrado por Miep Gies e entregue ao pai de Anne Frank – único sobrevivente da família, ao Holocausto. O Diário de Anne Frank é considerado um dos livros mais importantes do século XX. No diário de Anne, através das palavras dela, é possível identificar sua maturidade com o passar anos, ela relata muitas coisas: seus medos, seus sonhos, como era a rotina no anexo, a tristeza de ficar confinada, enfim… É um livro muito emocionante e mais emocionante ainda é visitar aonde ela viveu e aonde tudo isso aconteceu.

Anne Frank

Quando incluímos Amsterdam no nosso roteiro de viagem, a primeira coisa que pensei foi: “eu preciso conhecer o anexo do Anne Frank”, aliás, esse é dos maiores motivos que me motivou conhecer a Amsterdam e antes mesmo de viajar, eu comprei os ingressos com antecedência no site do Ducs Amsterdam que além de ser com hora marcada eu não precisei pegar fila. Quando chegamos em Amsterdam, eu quis ir ao prédio onde está seu anexo. Ele fica de frente pra um canal, a fila não estava tão longa naquele dia quanto eu pensava. Olhei tudo em volta, atravessei a rua e por vários minutos fiquei olhando o edifício e um misto de emoção e tristeza tomou conta de mim… Pensei que: se já senti tudo isso do lado de fora, eu sabia que no dia seguinte (no dia da visita mesmo) a emoção seria ainda muito maior.

annef

No outro dia voltamos pra lá – dessa vez pra conhecer tudo de perto e sentir pelo menos um pouco, de como foi a vida de Anne Frank. Infelizmente não é permitido tirar fotos, nem mesmo do museu, e acredito que isso seja justamente para estimular aqueles que tem vontade de conhecer, ir e ver com os próprios olhos. A entrada é exatamente como descrita no livro. A falsa estante que levava ao anexo e, em seguida, precisa subir alguns lances de escadas que são bem íngremes e estreitos… Dentro do anexo não há móveis, isso porque Otto Frank, quando criou o museu, disse que não queria que o anexo fosse novamente mobiliado, pois estando vazio era a melhor maneira de expressar as vidas que foram perdidas. Mas nitidamente dá pra ver a finalidade de cada cômodo e de como tudo era dividido entre as 8 pessoas que ali viveram. Em todas as paredes estão trechos do diário de Anne Frank e, aonde ela dormia, há vários recortes de revistas de atrizes de Hollywood e posters que Anne Frank era fã – colados na parede e protegidos por um vidro, é realmente tudo muito impressionante de se ver, de estar alí e impossível de não se emocionar, muita coisa passa na cabeça em um momento único como esse e a mente fervilha em pensamentos.

Em seguida, logo no final da visita há uma exibição de vídeos e outros documentos que também estão em exposição, mais alguns passos depois, envolto por uma vitrine de vidro, lá estava o seu diário. Eu congelei. Sabe aquela sensação de choque quando parece que o tempo para e a única coisa que você escuta é a batida do seu próprio coração? Foi assim. Não sei colocar em palavras a emoção que senti nesse momento de ter o diário dela há apenas alguns palmos de distancia do meu rosto, mas minha primeira reação foi começar a chorar. Lá estava, bem diante dos meus olhos: o diário dela – Kitty, mundialmente conhecido, numa caligrafia que não é tão perfeita, mas era bonita… Pensei em todas as emoções de Anne depositadas nas palavras daquele diário e fiquei imaginando qual seria a reação dela se tivesse vivido pra ver isso e soubesse a importância da marca que deixou pro mundo. Lá também estão várias folhas avulsas expostas, todas escritas por Anne, mas nada mais emocionante que seu próprio diário, que pra mim, de tudo que vi – foi o mais simbólico.

Logo sem seguida há uma exposição de fotos aos 15 anos de Anne Frank e cada foto há um objeto junto, fotografar ali também não era permitido. Logo depois, há um café com uma loja de souvenirs – é a ultima parte de toda a visita. Comprei um livro pra mim e outro para a minha mãe, não o diário (que já tenho), mas um livro com fotos que conta toda a história e a disposição do anexo, comprei também alguns postais de algumas fotos de Anne que sempre achei muito bonitas. Pedi um café, sentei, respirei fundo e por muitos minutos fiquei ali processando o turbilhão de emoções de tudo que eu tinha acabado de ver, e ser grata por ter tido a oportunidade de conhece-lo. De tudo que conheci em Amsterdam (e não foi pouca coisa) esse foi o passeio que mais gostei, foi muito importante pra mim, porque quem lê o seu diário e sabe de sua história, entende o significado de tudo isso.