Livro: A Ponte Invisível

Sinopse:

Em seu primeiro romance, Julie Orringer se inspira na experiência de seus antepassados húngaros durante a Segunda Guerra Mundial para construir uma narrativa ficcional cativante, que pode ser lida como uma história de amor, um thriller de guerra ou um romance histórico. Aos 22 anos, Andras Lévi recebe um convite para estudar na École Spéciale d’Architecture e se vê diante da repentina realização do sonho de deixar a Hungria para residir na charmosa Paris dos anos 1930. Tibor Lévi, por sua vez, consegue ingressar na faculdade de medicina de Modena, na Itália. Sempre que as parcas economias e a rotina de estudos permitem, os dois irmãos se reúnem para trocar confidências e aproveitar a noite parisiense. Andras, que se apaixona por uma mulher mais velha com um passado misterioso, logo se torna mais uma das preocupações de Tibor, que também se vê às voltas com um amor complicado. Nenhum deles previa, entretanto, as complicações que teriam início com a eclosão da Segunda Guerra Mundial: eles são obrigados a retornar à Hungria, onde são incorporados às frentes de trabalho destinadas aos judeus.

A narrativa da história é fantástica e igualmente rica em detalhes onde a autora fez um excelente e minucioso trabalho de pesquisa sobre a Segunda Guerra Mundial, tanto que algumas coisas eu desconhecia, mesmo eu sendo uma devoradora de livros sobre histórias da II Guerra. A maior parte da história é ambientada em Paris, Hungria e em alguns momentos na Ucrânia. O livro não foca somente no holocausto judeu, mas narra principalmente sobre as vidas dos sobreviventes de guerra: pessoas com seus sonhos, amores, amizades que são abruptamente interrompidos por esse período tão cruel da história.

O personagem principal é Andras Lévi – um jovem judeu húngaro estudante de arquitetura cheio de sonhos e planos; ele é um personagem que teve uma construção muito cuidadosa por parte da autora, assim como todos os outros também tiveram, mas é em Andras que o leitor conhece uma alma terrivelmente torturada pelos horrores da guerra e conhece sobretudo, a luta pela sobrevivência com uma capacidade sobre humana de nunca perder a esperança, não só por si, mas principalmente por quem se ama. Pra mim, a história de amor entre Andras e Klara é incrivelmente fantástica e linda, mas foi a história com o irmão Tibor que mais me comoveu neste livro. Eu chorei em diversas passagens da história.

O livro tem 724 páginas que eu li em menos de 2 meses e só não li mais depressa, porque muitas vezes me faltou tempo mesmo, ou seja, nem por um momento o livro é cansativo. O tempo, a história e a trama transcorre sem enrolações, sem correrias e sempre com muita, mas muita riqueza de detalhes – o que eu particularmente adoro. Quando terminei a história automaticamente já fiquei com aquela saudade deprê por terminar mais um livro, portanto, é uma leitura mais que recomendada. Vai ganhar com louvor as 4 xícaras de café.

cafe2-horz

“No dia seguinte, o Pesti Napló informou que um milhão e meio de judeus poloneses tinham sido mortos durante a guerra, segundo as estimativas do governo polonês no exílio. (…) Um milhão e meio de homens, mulheres e crianças judeus: como alguém podia compreender um número como aquele? Andras sabia que eram necessárias três mil pessoas para lotar os bancos da sinagoga da Dohány. Para acomodar um milhão e meio, era preciso reproduzir aquele prédio, seus arcos e suas abóbadas, seu interior mourisco, suas sacadas, seus bancos de madeira escura e sua arca dourada quinhentas vezes. E depois Andras visualizou cada uma daquelas quinhentas sinagogas lotadas em capacidade máxima, e cada homem, mulher e criança dentro delas era um ser humano único e insubstituível, da mesma forma como ele imaginava Mendel Horovitz, Torre de Marfim ou seu irmão, Mátyás, cada um deles com seus próprios desejos e temores, com seu pai e sua mãe, com sua terra natal, sua cama, seu primeiro amor, uma teia de recordações, um esconderijo de segredos, uma pele, um coração, um cérebro infinitamente complicado. Imaginá-los daquela maneira e depois imaginá-los todos mortos, extintos para sempre — como alguém podia sequer começar a compreender aquilo? A ideia podia deixar uma pessoa louca.”

– A Ponte Invisível

0 comentários Comentário

Adicione um comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *