02 abr, 2018

Livro: O Jardim das Borboletas

Antes de começar a resenha desse livro eu preciso fazer um comentário porque eu acho que isso não acontece só comigo: quando eu fico muito tempo lendo um mesmo gênero literário (principalmente aquele tipo de livro que eu fico completamente absorta com a história), quando mudo pra outro gênero eu fico… Como posso dizer? Um tanto quanto deslocada. Com vocês também acontece isso? Eu decidi dar uma pequena pausa com Jane Austen só pra dar uma variada (e pra também não acabar logo com todos os 6 livros dela) e aí eu comecei a ler O Jardim das Borboletas porque esse foi um dos que eu recebi caixa do mês no Skoob e que justamente eu estava querendo ler. Mas primeiro vamos a sinopse:

“Quando a beleza das borboletas encontra os horrores de uma mente doentia. Um thriller arrebatador, fenômeno no mundo inteiro. Perto de uma mansão isolada, existia um maravilhoso jardim. Nele, cresciam flores exuberantes, árvores frondosas… e uma coleção de preciosas “borboletas”: jovens mulheres, sequestradas e mantidas em cativeiro por um homem brutal e obsessivo, conhecido apenas como Jardineiro. Cada uma delas passa a ser identificada pelo nome de uma espécie de borboleta, tendo, então, a pele marcada com um complexo desenho correspondente. Quando o jardim é finalmente descoberto, uma das sobreviventes é levada às autoridades, a fim de prestar seu depoimento. A tarefa de juntar as peças desse complexo quebra-cabeça cabe aos agentes do FBI Victor Hanoverian e Brandon Eddinson, nesse que se tornará o mais chocante e perturbador caso de suas vidas. Mas Maya, a enigmática garota responsável por contar essa história, não parece disposta a esclarecer todos os sórdidos detalhes de sua experiência. Em meio a velhos ressentimentos, novos traumas e o terrível relato sobre um homem obcecado pela beleza, os agentes ficam com a sensação de que ela esconde algum grande segredo.”

Sabe aquela história que te prende do começo ao fim? Que você sente o mesmo que os personagens sentem? Pois é, NÃO É o caso desse livro, infelizmente. Apesar de ser uma história forte e impactante por todo o contexto que envolve sequestro, estupro, assassinato e cárcere, não me prendeu como eu estava esperando e muitas vezes eu sentia que a personagem principal do livro – Maya, era completamente desprovida de emoção (mesmo tendo passado por tantos traumas), deixando assim, o livro maçante e sem uma linearidade. Eu odeio quando isso acontece num livro. O enredo e o formato da história são bons e ao meu ver, tinha tudo pra ser uma grande obra, mas faltou desenvolvimento muito em parte porque pra mim, não teve aquele gás que faz com que o leitor continue a querer ler a história. Eu só terminei esse porque eu realmente detesto abandonar um livro, o final achei bem forçado também, mas confesso que já li desfechos piores.

Basicamente eu resumiria este como uma boa história que não foi devidamente explorada. Se você está procurando livros nessa linha, mas que tenham um bom suspense, recomendo muito os livros de Paula Hawkins e Harlan Coben que são bem melhores. Uma pena esse não ser como eu esperava. Vai ganhar só 2/5 xícaras:

Juliana Esgalha

Tags:

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1 Comentário

  • Avatar
    Tat Rocha
    março 11, 2019

    Juliana tem como saber se é baseado em fatos reais! Terminei de ler, fiquei impressionada como uma pessoa tem criatividade pra escrever uma história dessa!